sexta-feira, 15 de Agosto de 2014

Palácios confusos


Nunca os mesmos
cada vez que avistaram
meus olhos
de longe
na penumbra de anos
nas brumas de décadas
ali estão
e ali ficam
palácios confusos edifícios
memórias que me elevam
a uma transparência
calma
sem vícios.

terça-feira, 12 de Agosto de 2014

É por seres como és


É por seres como és
que te sinto

a imensidão 
do deserto
e o instinto

nunca estive tão perto
de um labirinto
aberto

tão certo
que acredito
nos teus olhos

de um escuro infinito.


quinta-feira, 7 de Agosto de 2014

Debruçada sobre o muro


Debruçada sobre o muro
Como uma multidão sobre a ponte
Mas sem ninguém ao pé
Com as ervas ouvindo
A tua respiração
Como se fosse um vento
Soprado da tua tempestade interior
Quarenta anos se debruçam
A chorar
Enquanto o sol canta nas asas
Da primavera à tua volta
Porque tu não queres ter a força
De enfrentar a lágrima
Com medo de que a tua vitória
Seja sobre ti mesma
O que de certo modo já acontece
Quando choras
Só para ti
Debruçada sobre a construção
Que te ampara
Entre dois lados
De um único mundo
Que o sol não conhece outro.

sexta-feira, 18 de Julho de 2014

Ninguém sabe morrer


Os velhos e velhinhas
a gente sem abrigo
que pede
pelas alminhas
vive
como castigo 
e

dos colos carregados
das lantejoulas
dos cenhos carregados
das angústias
dos peões
da soberba pachorra
de esperar
remédio
da virtude paciência
e

há sempre
muito ruído
muito brilho
muita cor
ladrões
à paisana
e polícias
nas esquinas
prostituição
a disputar a sensualidade
que há em tudo
e

a despesa de viver
o pecado
fechar os olhos
para ignorar
a bomba
que vai explodir
e

tanto filho da mãe
que anda a fugir
sem descanso
que não suporta a luz
nem a própria sombra
tanta faca
escondida
 e

deve haver
além de mulheres algures
ilícitas de tão carnais
amores imperfeitos
de tão legais
e

o livro da história
que não cessa
nem há tempo para ler
até numa biblioteca 
ninguém sabe morrer.

segunda-feira, 7 de Julho de 2014

Há coisas que queremos dizer


Há coisas que tu queres dizer
E não sabes como
Que eu quero
Mas não sou capaz
Que não dizemos
E tanto dói calar
Quanto o desejo
De falar.


quinta-feira, 3 de Julho de 2014

Frustrações de um sonhador


Com sol na vidraça
Da aurora baça
A horas tardias da tarde
E da noite
Escrevo palavras e frases
Que aspiram a ser
Textos
Por mais que os torça
De pequeninos
Como os pepinos
Não passam disso
Frustrações dum sonhador
Que envelhece
A ver
O que acontece.

terça-feira, 1 de Julho de 2014

Uma voz que se ergue


Uma voz que se ergue
Na noite cerrada
Mais doce e mais leve
Que um grama de nada
E tão bem a ouço
À voz amada
Tão bem encanta 
A madrugada
Tão bem se estende
Para o dia
Mais sede e mais fome
Que a alegria
Chama 
Sabe o meu nome
Arde 
E não está queimada
Mais cedo e mais tarde
Que o tempo 
Cresce
E não foi plantada.

sexta-feira, 27 de Junho de 2014

Venenasas


Esta certeza é efémera como todos os brilhos
Como as chamas arrefecem nas órbitas
De monstros venenasas
Ruínas de castelos que já foram no ar
Sobranceiros a campos
Onde são matagais
Cemitérios onde adros já foram festivos
Esta tristeza desmemoriada do que foi alegria
Ao compasso de todas as músicas
De todas as marchas não reeditadas
E dos silêncios sobrevindos
De todos os sinos
De todos os tempos
Tratados de filosofia
À espera
De um cérebro que os pense
Até à próxima explosão do Universo
Que não precisa da ciência
Nem de contexto histórico
Como a minha morte
Para acontecer
Sou fútil e distraído
Como as estrelas brilham
Como um ébrio enquanto não adormece
Trato de banalidades
Porque já é aquilo que há-de vir a ser
Eu já nasci morto.